Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços…

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca… o eco dos teus passos…
O teu riso de fonte… os teus abraços…
Os teus beijos… a tua mão na minha…

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca…
Quando os olhos se me cerram de desejo…
E os meus braços se estendem para ti…

Florbela Espanca

Mais um texto com 3 anos que tinha aqui guardado. Espero que gostem.

—————————————————————-

Vejo tudo negro. Penso no que estará por detrás deste pano negro que não me deixa ver além daquilo que quero. De repente tudo muda. Tudo é branco. Como se de um acto de magia se tratasse, começo a ver tudo branco. Ou melhor, vejo branco, porque não consigo ver o “tudo”.

O branco começa a desfazer-se… começo a ver cores…começo a ver formas. Não consigo diferenciar aquilo que vejo, sei apenas que é diferente.

Sem saber porquê tudo se torna nítido. Tudo se torna real! Tudo se torna naquilo que realmente é. Olho para a frente… vejo pessoas, casas, carros, animais! Vejo o Mundo. Vejo o Mundo tal e qual como é todos os dias. As folhas das árvores dançam nos seus ramos, fazendo um barulho que me faz olhar. Olho. Vejo folhas verdes e, por entre elas, os pássaros a cantar, acompanhando as folhas na sua dança.

O dia não parece normal! Não sei porquê, mas apenas não parece!

Como em todos os dias, vejo-a! Linda e esbelta, parecendo que anda nas nuvens. Olha para mim… olhando-a fixamente nos olhos, percebo que algo se passa. Os meus olhos brilham. Consigo ver o brilho dos meus olhos nos olhos brilhantes dela. Sinto uma força empurrando-me! Não consigo fazer-lhe frente. Quando me apercebo que a minha força é impotente em relação àquela força, vejo que me estou a dirigir a ela. Ela olhava-me… eu não sei se a olhava, apenas pensava naquilo que não sabia que ia fazer.

Dez segundos depois, vejo que estou agarrado a ela. Tudo parece perfeito. O que me deu? Não sei! Sei apenas que estou feliz… Ainda um pouco cego, vejo que estão todos a olhar para nós. Ela parece surpreendida e ao mesmo tempo feliz com a surpresa. Ainda bem! Não fiquei mal.

Olho-a novamente nos olhos. Ela olha-me e sorri. Tudo está perfeito. A cerca de 10 centímetros da boca dela, fecho os olhos a aproximo-me. Sinto o seu calor a aproximar-se…

Ao longe ouço uma voz a chamar…”Simãooo”. Não ligo e continua a aproximar-me. Mas o chamamento é cada vez mais alto… Abro os olhos. Ouço novamente…”Simão”! Levanto a cabeça…

“Simão, acorda! São horas de ir para a escola”… Olho para todos os lados…apercebo-me que estou no meu quarto, coberto com 2 cobertores. Era tudo perfeito de mais para ser verdade!

Este texto foi escrito há mais de 3 anos atrás (09-03-2003). Achei interessante po-lo aqui; já o tinha colocado no depoisfalamos.wordpress.com, mas como o conceito do blog mudou um pouco, remeto o texto para este. Espero que gostem

————————————————————————————————–

Por vezes é difícil definirmos aquilo que sentimos. Será amizade ou será amor? Por vezes não conseguimos exteriorizar os nossos sentimentos. Será amor ou amizade? Por vezes não conseguimos olhar para ela. Será amizade ou será amor? Por vezes não conseguimos falar com ela. Será amizade ou será amor? Por vezes não conseguimos! Simplesmente não conseguimos. È difícil de explicar aquilo que se sente se não se tem a certeza disso mesmo. É difícil interpretar estes sintomas, se a maior parte do tempo, não os temos, não os conhecemos. Não sei até que ponto a “timidez” significa amor, mas uma coisa é certa, amor não significa timidez!

Conheço-me tão bem que não sei o que sou nem aquilo que penso. Serei assim tão ignorante? Penso que sim, mesmo que por vezes me entenda mesmo que não entenda aquilo que me rodeia. Aquilo que sinto torna-se impossível de transpor! Não consigo vencer este jogo, jogado apenas por mim, que se torna mais competitivo a cada momento que passa, a cada facto novo que se junta, a cada letra que escrevo, a cada palavra em que penso. Mas tudo isto para quê? Para dizer que não sei o que sinto realmente em relação a ela!

Conheço-a tão bem! Estou com ela todos os dias, e a cada dia que passa parece que a perco cada vez mais, parece que a vejo cada vez mais longe! Parece-me tão incerta, tão autónoma! Perdi total controlo em mim, e nela. Por vezes trocamos sorrisos, por vezes discutimos, por vezes nem sequer falamos, mas estamos sempre juntos. Mesmo que por vezes não pareça, nunca me separo dela, ela nunca me deixa, ela, mesmo sendo independente, precisa de mim para sobreviver.
Ela…a minha vida! Já não sei o que pensar dela! Está a tornar-se só e eu também. Acho que me estou a afundar, penso que não me consigo manter aqui. Acabarei por sucumbir nesta vida sem vida! Ela sem mim e eu sem ela, somos apenas mais duas metades separadas que acabaram por se juntar, mais uma vez!

Quando não sei, mas a certeza que nos iremos juntar novamente, está presente em todos os meus sonhos, em todas as minhas realidades, em mim. A certeza incerta de que um dia tudo será perfeito, a incerteza de que um dia o Mundo irá vibrar com o fim desta batalha desigual entre mim e ela. O vencedor… seremos os dois! Iremos sair juntos e festejar esta vitória ganha sem que haja derrotados a clamar por vingança, pelo menos assim espero.

Digo isto porque, por vezes, respirar por ela pode ser sufocante… Por vezes olhar para ela deixa-me cego… Por vezes ela deixa-me sem ela.

E aqui estou eu, sozinho, à espera da dela, da vida. Só espero que ela chegue, espero que não esteja à espera, como eu! Assim nunca mais nos uniremos. Mergulharemos os dois na solidão, a não ser que outra vida se junte a mim! Outra vida sem ser a minha ou que outra alma se junte à minha vida. Tudo é possível mas inesperado. Mesmo podendo ser salvo por outra vida, não conseguiria viver sem a minha. A outra vida matar-me-ia sem que eu tivesse tempo para chamar bem alto pela minha própria vida.

Apesar de tudo sinto-me culpado e ao mesmo tempo inocentemente réu de toda a minha sensatez insensata que se manifesta com vontade própria sem que eu tenha poder para a controlar. Foi eu que causei isto! Terei eu forças para me unir novamente à minha vida?

Mas a que vida me refiro? À minha? Sim! Já tive tantas, mas mesmo assim vivo aqui sozinho e elas continuam sem mim. Porque é que eu não as agarrei? Talvez essas minhas vidas não me pertencessem. Será que esta pertence?

Pertencerá com certeza, se o que sentir por ela for amor! Se for apenas amizade, ela deixar-me-á mais uma vez sozinho. Apesar de estarmos sempre juntos para toda a eternidade, por que um dia…já fomos um do outro! Já!

Dedicado a ela e a TI!

um espaço mais pessoal
É o slogan deste meu novo espaço. Um espaço onde pretendo deixar os meus devaneios mais pessoais, opiniões, criticas e afins do que se passa comingo e à minha volta.

Espero que seja um bocadinho interessante, pelo menos para alguns, e que possa proporcionar alguma discussão em alguns dos assuntos.

Só falta mesmo… ter visitas :p

Um espaço mais pessoal

Um espaço mais pessoal. O Depois Falamos tournou-se menos pessoal, e este vai ser mais pessoal. Resumindo é isso...

Os dias que passam

Julho 2014
S T Q Q S S D
« Jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Temas

As mais populares

Velhices

Quantas pessoas já se deram ao trabalho de passar por este espaço?

  • 624
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.